top of page
banner-norte-1
  • Foto do escritorJorge Netto

ARTIGO - Marketing politico no Brasil. Antes e depois de 2018 



A história do marketing político no Brasil se divide em antes e depois de 2018. Naquele ano aconteceu um fenômeno que pegou todo mundo distraído.  Nacionalmente, Jair Bolsonaro passou para o segundo turno sem campanha em TV aberta e sem participar de debates.  O mesmo aconteceu em Minas Gerais com Romeu Zema.

 

Pelo menos desde 2008 se ouvia pelos bastidores das campanhas políticas que “este ano a internet vai fazer a diferença”.  E nada. O que decidia eram os programas e, principalmente, os comerciais de 30 segundos em TV aberta.  Nos EUA foi diferente já que, naquele ano, Barak Obama revolucionou o marketing político com seu site super criativo. Mas no Brasil, a internet ainda era uma curiosidade promissora. 

 

Em 2018, finalmente, a internet, mais especificamente as redes sociais, atropelaram e fizeram a diferença.  Como você sabe, Bolsonaro acabou ganhando a eleição para presidente e Zema venceu para governador. Desde então as campanhas políticas nunca mais foram as mesmas.  Desnorteados, todos correram atrás de dominar as redes sociais com mais ou menos sucesso.  A direita saiu na frente, porque começou antes e criou um forte engajamento na internet.  A esquerda ainda procura se encontrar, nesta área.   

 

Mas isso quer dizer que a TV aberta morreu? Absolutamente.  Os programas, agora mais curtos, são realmente irrelevantes porque são “chatice com hora marcada”.  Você tem que ligar a TV naquela hora só para vê-los. Só servem para municiar os cabos eleitorais com argumentos. Mas os comerciais de 30 segundos ainda têm força para virar jogos, quando entram de surpresa no intervalo de programas de grande audiência como o Jornal Nacional.  As classes C, D e E, principalmente, ainda garantem altos pontos de audiência na TV aberta.  E essas classes formam a maioria dos eleitores brasileiros. 

 

Contudo, o que acontece agora é que todo mundo está negligenciando a propaganda eleitoral em TV aberta e se dedicando totalmente às redes sociais.  É um erro.  Os comerciais andam pálidos, desidratados, sem criatividade, meramente informativos. E na internet tudo caminha para ficar pau a pau.  Já soube de campanhas que têm gente só para criar “fake News”. 

 

A mídia social com mais força é a menos comentada, o WhatsApp.  Ali verdades, meias verdades e mentiras se digladiam pela atenção do internauta.  Todo mundo usa WhatsApp. Com 30 anos de marketing político nas costas já posso dar algum conselho.  Invista pesado nas redes sociais.  Mas coloque muita energia nos comerciais de 30 segundos.  Por enquanto, eles ainda são extremamente poderosos. 

      *Jorge Netto é publicitário

70 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

コメント


bottom of page