• Cefas Alves Meira

Propaganda mineira perde Álvaro Rezende, CEO da RC


Álvaro, 85 anos, foi vítima de uma queda, sofrendo hemorragia cerebral

O mercado de comunicação mineiro e nacional perdeu, na manhã deste domingo, o publicitário Álvaro Rezende. Tinha 85 anos de idade e segundo o filho Adolpho Resende, quinta-feira ele havia sofrido uma forte queda, que provocou hemorragia cerebral. Álvaro deixa ainda as filha Roberta e Danielle.


Começou na TV Itacolomi

Álvaro Rezende começou sua carreira aos 18 anos, em 1956, como câmera-man da TV Itacolomi, dos Diários Associados. Depois de passar por outros setores da emissora, chegou a diretor comercial.


O passo seguinte foi fundar uma agência, a RC Comunicação. Álvaro tinha o orgulho de dizer: “A agência é a única de Minas e talvez do país a manter o mesmo CNPJ desde sua fundação”. A RC tem 49 anos de atividades ininterruptas, sendo uma das agências mais premiadas do mercado mineiro, tendo conquistado diversas premiações regionais e nacionais.


Álvaro Rezende, recebeu ao longo da profícua carreira inúmeros prêmios de publicitário do ano, e teve sempre uma atuação ativa em prol do mercado: foi um dos fundadores do Sindicato das Agências de Propaganda de Minas (Sinapro-MG) e presidente da Federação Nacional das Agências de Propaganda (Fenapro).


Amigos consternados

Esbanjando simpatia, bom humor, ética e solidariedade ao longo de suas oito décadas e meia de vida, Álvaro Rezende granjeou um grande número de amigos. Todos não esconderam sua tristeza pela morte do diretor-presidente da RC.


O publicitário Hamilton Gangana fala da amizade que os unia: “Na TV Itacolomi, tive os primeiros contatos com ele. Alguns programas como o Esta é a Sua Vida e shows especiais, tinham o Álvaro manipulando a câmara.Virou diretor comercial e depois corretor de publicidade, criando a RC em 1973. Fundou o sindicato das agências e desafiou o eixo Rio-SP, saindo candidato a presidente da Fenapro, surpreendendo a todos com sua eleição. Gostava de um desafio, era um vencedor e morreu na Semana Santa”. E completou:


“Álvaro desrespeitou os médicos e compareceu ao encontro da turma de veteranos dia 28 de março, no Minas Tênis Clube. Foi sua despedida, a última aparição pública, acompanhado de um enfermeiro. Que Deus o tenha”.


A também publicitária Preta Senra desabafou: ”Tô tão triste! Gostava tanto dele. Trabalhei na RC três vezes. Sempre fui muito acolhida e valorizada pelo Álvaro. Deus o abençoe”.


José Maria Vargas, fundador e presidente do grupo Veteranos da Amizade, que promoveu o encontro do dia 28 de março, evento que contou com a presença de Álvaro Rezende, diz: “Naquele almoço, quando nos brindou com a sua sempre dignificante presença, a nós oferecida naquele dia à custa de um enorme esforço pessoal - contrariando médicos e familiares – ele se despediu do grupo deixando uma forte saudade e o exemplo de respeito pela nossa união”.


“Ele valorizava o Veteranos e mostrou isso de uma maneira admirável e inesquecível. Façamos por merecer. Pela memória do veterano Álvaro, que agora vai nos deixando para alcançar a glória de Deus, valorizemos a alegria de estar juntos. Vá em paz, amigo”, acrescentou o publicitário.


A mídia Patricia Avelar afirmou nunca se esquecer “desse meu ex-patrão querido, que me recebeu de braços abertos na RC, na minha entrada e saída da agência”.


João Sales revela que conheceu Álvaro quando a RC era na av. Amazonas, próximo à av. Afonso Pena. “Eu começando na Rádio Tiradentes, muito jovem, sem nada saber, e ele me atendia com a maior gentileza e carinho. Me chamava de Joãozinho, fico emocionado ao lembrar disso…”


Glauça Pinheiro, não escondendo sua tristeza: “Ele me ensinou o que é ser uma mídia, uma produtora gráfica e uma RTVC. E com muito carinho e confiança, pois fui pra RC sem conhecimento dessas áreas. Álvaro me fez acreditar no meu potencial, me deu segurança e confiou numa menina que estava saindo da Standard como secretária, para aprender e assumir importantes departamentos. Só tenho gratidão!”


Clóvis Prates pontua: “Além de muita saudade, Álvaro deixa uma linda história de vida, como grande profissional e inesquecível ser humano”.


O jornalista Washington Mello relembra o almoço dos Veteranos do dia 28: “Depois de um bom tempo sem vê-lo, recordamos ali que éramos amigos e companheiros desde os tempos do Clube do Milionários, à rua Goiás 58. E ali, no restaurante, ele ainda perguntou sobre nossa luta em prol da Associação Mineira de Imprensa. Álvaro se ofereceu para nos ajudar na revitalização da AMI: Assim que eu melhorar..."


Ricardo Massara: ”Minas perdeu um grande profissional e ser humano. Sou testemunha disso. Por onde passei pelo Brasil afora, muitos me indagavam por ele. Que Deus o receba com muito júbilo e carinho.


Francisco Bessa destacou: “Álvaro sempre foi e sempre será na nossa memória uma pessoa especial. Por tudo que ele fez como profissional e como ser humano de grande carisma. Sempre que se encontrava comigo, abria o braço e dizia, Bessinha do amor divino . Nunca soube de onde ele tirou isso, e acabei não perguntando, mas tenho a certeza que hoje ele está junto do “Divino “ por tudo de bom que ele fez na vida.


Ronan Ramos, que trabalhou com Álvaro nos Diários Associados: “Ainda ouço ele dizer no estúdio, quando eu começava na Itacolomi, com a voz forte de sempre e orgulho: Ronan, fui câmera man aqui na Itacolomi”.


Paulino Ribeiro também relembra: “Tenho uma passagem importante com ele. Era na implantação de um novo modelo de licitação do governo federal. Álvaro me ajudou a quebrar o escudo paulista nas contas federais. Que atitude brava desse mineiro incansável.


Simão Lacerda, publicitário e amigo de décadas: “Nesta noite de Páscoa sabendo e agradecendo por ter a certeza de que o Álvaro está no céu ao lado de Deus”.


José Luiz da Silva, presidente da AMP: “Quando sentimos com mais intensidade a tristeza e a sensação da finitude da vida vindas de uma grande perda, é preciso manter vivas as memórias de quem partiu, sobretudo quando são exemplos de pioneirismo, coragem e afeto. Álvaro Resende nos deixa, mas fica o grande legado que construiu e que o fez um dos grandes nomes da propaganda mineira”. E recorda:


“Ele começou atrás das câmeras na Itacolomi, se tornou corretor de publicidade e fundou a RC. E desde então, acreditou no mercado como poucos. Fundou o Sinapro e se candidatou à presidência da Fenapro, se elegendo. Álvaro, que não fugia dos desafios, não mediu esforços para levar a publicidade de Minas o mais longe possível no mercado brasileiro”.


“Como fazem os grandes veteranos, recebia os recém-chegados com carinho e confiança, já que sabia que o crescimento só vem quando se dá espaço ao novo. Fica a saudade, o exemplo e a gratidão à esse profissional, e também ao ser humano, muito querido e admirado. Aos seus filhos, Adolpho, Danielle e Roberta, e a toda família, nosso incondicional apoio e sinceros sentimentos. Álvaro foi, e sempre será, uma pessoa especial na nossa memória”, finalizou José Luiz.


O corpo de Álvaro Rezende será velado amanhã, das 14h às 18 horas, no Funeral House, av. Afonso Pena, 2.158. Não haverá sepultamento. Depois de cremado, as cinzas serão espalhadas sobre Belo Horizonte, cidade que o acolheu generosamente. Álvaro era natural do interior mineiro, São Gotardo.

228 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo